Compartilhar

Sara Não Tem Nome
Omega III

Independente
28/09/2015
http://saranaotemnome.com/

Nota

Como todos os anos, finalizamos nossas listas de melhores e piores do ano apostando em 10 artistas novos para ficar de olho. Geralmente a aposta é alta: nomes que não tem nem disco, estão começando e que basicamente ninguém nunca ouviu falar. Um desses nomes, lá em 2013, era a Sara Não Tem Nome.

A Sara demorou bastante para fazer o que seria então seu primeiro álbum. Entre vindas e voltas, foi acumulando canções, fazendo shows, vídeos, editando, fotografando e fazendo instalações artísticas (ela estuda artes). Finalmente dentro de sua instalação no Red Bull Station em São Paulo, a jovem mineira aproveitou o estúdio disponibilizado gratuitamente e registrou Omega III, seu trabalho de estreia.

São doze canções que passeiam por uma juventude que viveu além da compreensão normal para a idade de suas canções (são faixas compostas enquanto era adolescente). Sara usa da ironia, das preocupações e a relação com a vida para criar canções densas e ao mesmo tempo doces, num paralelo sonoro que confere bem o seu ser.

Sua voz de menina contrapõe as guitarras de Haffa Buleto e Gustavo Athayde (BIKE), que tocaram no álbum ao lado de Julito Cavalcante (BIKE e Macaco Bong), a bateria de Daniel Fumega (Macaco Bong), os teclados e sintetizadores de Fábio Gagliotti, violino e violoncelo de Marcelo Nunes, trompete de Vanessa de Michelis (Post) e a participação especial de Guto Borges (Dead Lovers Twisted Heart).

A semelhança prévia da voz infantil com a Mallu Magalhães e o non-sense da Clarice Falcão é para ser ignorada. Sara faz um produto não infantil, inteligente e bastante redondo, sem os exageros da produção de Monomania ou a fragilidade de “Tchubaruba”.

É um trabalho que ganha pela estranheza, pelo desafio de se fazer algo novo dentro das próprias limitações de voz, tempo, vida e arte. Mesmo que a ordem das faixas não funcione tão bem ou o disco as vezes parecer longo, ainda sim o disco surpreende, principalmente a popsong “Carne Vermelha”, que entrega a influencia em Sergio Sampaio e Itamar Assumpção; “Água Viva” e sua referencia direta a “Let Down” do Radiohead; e “Solidão”, com seus violinos prontos para balançar a cabeça.

Com mixagem e gravação de Rodrigo Costa, o Funai, e masterização de Rob Grant (que assina as masters de bandas como Tame Impala, Death Cab for Cutie) no Poons Head studio, na Austrália, Sara Não Tem Nome fortifica um nome que já era reconhecido em outras artes no cenário independente, mas que agora começa mais uma jornada na música, com um belo disco.

Compartilhar
Matéria anterior“Quando Bate Aquela Saudade”, primeiro clipe de Rubel
Próxima MatériaKatty Winne mostra single “Just Another Day”
Músico multi-instrumentista, DJ, viajante, criador e editor-chefe do site RockinPress, colunista e curador convidado do Showlivre, ex-colunista do portal de vendas online Submarino e faz/fez matérias especiais para vários grandes meios culturais brasileiros, incluindo NME, SWU, Noize, Scream & Yell, youPIX e os maiores blogs musicais do país. É especializado em profissionalização de artistas independentes e divulgação de material através da agência Cultiva, sendo inclusive debatedor em mesas técnicas sobre o assunto na Universidade Federal Fluminense (RJ) e no Festival Transborda (MG).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here