Compartilhar

Falso Coral: Facebook | Youtube | Site Oficial

Neste final de semana vimos muito da evolução do folk dentro da música indie mundial no Lollapalooza Brasil 2016. Entre as bandas tivemos o Mumford & Sons e Of Monsters and Man aproveitando a batida do violão e elementos acústicos para ‘atualizar’ o estilo. Apesar de não estarem lá e serem brasileiros, a Falso Coral aposta em outros meios para dar sua própria cara ao folk.

A história começa com o encontro de Bela Moschkovich com Luis Gustavo Coutinho na Universidade de São Paulo, seguindo ainda pelo encontro do Guilherme Giacomini, produtor e DJ de diversas festas de São Paulo. Figuras tão distintas musicalmente, mas que casam de maneira própria suas influencias.

O trio paulista se prende a elementos da MPB, sintetizadores e batidas eletrônicas para criar a sua cara. Isso tudo é fácil de pegar logo na primeira ouvida do EP de estreia da banda, Folia. É um registro simples, apenas cinco músicas, mas funciona bem entre os elementos acústicos, como viola caipira, e a voz potente e interessante de Bela.

Apesar de ter alguns trabalhos anteriores mais descompromissados e ainda em dupla, a banda realmente se encontra melhor em Folia. Neste registro se mostram pela primeira vez em português e exploram temas diversos, sempre embasados pela métrica vocal e climagem estilo dream pop que a banda produz. O EP conta com colaborações de Luis Calil (dos projetos Cambriana e Ara Macao), Fábio Cardelli e Michelle Eufrásio. A produção foi assinada por Filipe Consolini e o lançamento acontece pelo selo Mono.tune Records.

Além da ousadia sonora, a experiência da banda se completa com a parte visual do trio: As roupas que vestem as artes da banda são originais da Folia de Reis (folclórica festa católica que rememora o caminho dos três reis magos) fornecidas pela Associação ABAÇAÍ, com a arte gráfica feita pelo artista plástico Lucas Simões.

Todas essas informações credenciam a banda a um dos produtos mais interessantes desse ano e mostra um promissor início de carreira para esta banda. Se eles serão o próximo Florence And The Machine ou tocarão no Lollapalooza, só o talento da banda poderá nos dizer.

Compartilhar
Matéria anteriorClipes: Baleia, The Mozões, Os Descordantes e Mordomo
Próxima Matéria“Verbalize It”, novo clipe da Pequena Morte
Músico multi-instrumentista, DJ, viajante, criador e editor-chefe do site RockinPress, colunista e curador convidado do Showlivre, ex-colunista do portal de vendas online Submarino e faz/fez matérias especiais para vários grandes meios culturais brasileiros, incluindo NME, SWU, Noize, Scream & Yell, youPIX e os maiores blogs musicais do país. É especializado em profissionalização de artistas independentes e divulgação de material através da agência Cultiva, sendo inclusive debatedor em mesas técnicas sobre o assunto na Universidade Federal Fluminense (RJ) e no Festival Transborda (MG).

1 COMENTÁRIO

  1. Serio eu gostei bastante de ouvir o som deles, é agradavel e fica na cabeça por horas. Recomendo.

DEIXE UMA RESPOSTA